Kafeta feminista | 13 de Maio

No dia 13 de Maio, organizaremos a quarta kafeta feminista, a partir das 17h30, na Gazua.
Dinamizaremos uma sessão de jogos “Feminismos reunidos”, o trivial de Sangre Fucsia. Às 19h, será exibido o documentário “Die Rote Zora”, de Oliver Ressler (2000, 28′), que será seguido por uma conversa sobre o grupo e pela leitura de alguns dos seus textos e comunicados.
Haverá petiscaria vegana e música feminista!

Sinopse:
“Die Rote Zora surge em 1977, na Alemanha Ocidental (RFA), como um grupo feminista armado, dentro da organização de guerrilha urbana “Células Revolucionárias”, da qual se afastam dez anos mais tarde.
As suas ações iniciam-se com um ataque a bomba em frente ao escritório da Associação de Médicos da Alemanha com o objetivo de protestar contra as leis de aborto. Contra as mesmas leis, bombardearam também o Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, em Karlsruhe. Durante a sua trajetória, o grupo bombardeou inúmeras sex shops, carros de proprietários de empresas como Siemens AG, Bayer e Nixdorf Computer AG, institutos de pesquisas genéticas e fábricas de roupa por considerar o tipo de negócio dessas empresas responsável pela exploração e opressão de mulheres.
Este pequeno documentário consiste numa longa conversa com Corinna Kawaters, activista do grupo e a única integrante que foi condenada como terrorista.”

A Kafeta feminista é um espaço de convívio e de partilha baseado nos princípios da auto-gestão, da horizontalidade e do cuidado. Surge da necessidade de nós – feministas – construirmos um lugar de encontro para reflectir, debater, descontrair e criar colectivamente. Poderá acolher o que quisermos: rodas de conversa, projecção de filmes/documentários, leitura de zines/livros, declamação de poesia, sessão de jogos, karaoke, festas, etc.
A Kafeta feminista é um espaço não-misto, seguro, livre de opressões. Convidamos a participar mulheres, cis e trans, pessoas queer, pessoas não-binárias e outras identidades e corporalidades não-hegemónicas.
Terá uma periodicidade mensal.

Tens ideias, sugestões, propostas para a kafeta feminista?
Escreve-nos para: gazua.porto@gmail.com.

i-) Condições de acessibilidade:
Em termos de acessibilidade a pessoas com diversidade funcional, convém referir que a estação de metro da Trindade é a mais próxima do local. Da saída do metro até à Gazua, a distância é de cerca de 600 metros. Existem ainda autocarros (11M e 703).
Infelizmente, o espaço desta actividade é de acessibilidade reduzida. Tem escadas de acesso ao primeiro piso e à cave/jardim. Nem os corredores nem as casas de banho estão preparados para pessoas com diversidade funcional, sendo a largura dos mesmos convencional e não existindo barra lateral de apoio nem uma largura suficiente das portas que permita a manobrabilidade de cadeiras de rodas, por exemplo.

Disponibilizaremos um conjunto de pessoas para auxiliar em necessidades de mobilidade. Em caso de dúvidas ou para a exposição de questões/pedidos, contactem-nos, por favor, através do seguinte email: gazua.porto@gmail.com.