Exposição “Porto Frágil” | 10-28 de Fevereiro

Para a primeira exposição na Gazua, escolhemos o Porto como tema.

Acreditamos que a arte é um eixo central nas dinâmicas comunitárias e que o seu papel é fundamental na procura de respostas para os desafios actuais da urbanidade. Com esta exposição pretendemos incentivar uma reflexão crítica e constante sobre a nossa cidade, as suas mudanças e as pessoas que a habitam.

No presente, o Porto corre o risco de se tornar numa cidade para mero consumo turístico, engolida pela gentrificação, marcada pela exclusão social, despojada da sua plural autenticidade. É um Porto de fragilidades que se lascam ao nosso passar. Mas, ao mesmo tempo, é um Porto que contesta a cidade-marca da imagem atraente do postal ilustrado ou da fotografia que o turista tira. Esta exposição visa, por isso, fazer um apelo à sustentabilidade da ecologia social, à visibilização da precariedade das vidas e dos lugares, à preservação do património cultural, à imersão na memória histórica.

Atendendo a que é a nossa primeira exposição, a qual é inaugurada simultaneamente com o nosso espaço, convidámos um conjunto de pessoas para aqui apresentarem as suas obras, mostrando diferentes olhares e compromissos sobre a cidade mais visceral, menos conhecida, cheia de contrastes e miragens, com pequenos encantos e inquietudes, em diferentes planos, lado a lado, defrontando-se ou camuflando-se. Para mostrar uma cidade que, apesar das suas fragilidades, assenta num substrato vigoroso, com escarpados graníticos, onde as águas do Douro talharam um vale encaixado desaguando num estuário sobre o oceano, abrigando populações ribeirinhas com fainas antigas.
Este é o nosso Porto… frágil.

Ana Pinho \ António Pinheiro \ Carlos Romão \ Elizabeth Leite \ Franchini \ Helmar \ Isabel Soares \ João Carqueijeiro \ João Leite \ José Silva \ Lauren Maganete \ Manuel Malheiro \ Nelson Isidoro \ Ricardo Matos \ Rosa Bela Cruz

Horário de visita:
Quarta-feira – Domingo: 15h-19h